ELA

domingo, 29 agosto, 2010 at 22:26 (Coração vagabundo)

Um pensamento,
Deliberadamente inconsciente.
Entusiástico, poente enigmático. Pensamento.

Um pensamento, de certo modo, persistente.
Ela, por um traço facial,
Denotava certo contentamento.

Um pensamento, tanto aplausível.
Ali estava, perigo mortal.

Ele a sentia com o pensamento…
Ela: a que dele furtava os pensamentos…

Dali, à posteridade e o porvir,
Encantado, consumado e selado
Uma peripécia matinal,
Fisgado o pensamento e quebrado silêncio.

Partiu armado até os dentes: empunhava um recado.
Golpes mesclados de lirismos,
Intangíveis.

Métricas encenadas com encantos sonoros.
Vibravam as cordas carnais,
A flecha letal. Nascera um casal…

Indefesa e fora de combate, ficara
Agora, dele um pedaço vital levava.

Um verde brilho por ele olhava, Ela.
Agora Ela é uma poesia.
Uma poesia marcada na pele dele.

[julho de 2010]

Link permanente Deixe um comentário